TIROTEIO NA COMUNIDADE DA MARÉ DEIXA ALUNOS E PROFISSIONAIS DE ONG ENCURRALADOS.

senaimare.jpg

A série de operações da polícia para tentar encontrar criminosos envolvidos na morte de policiais militares deixou, nesta quarta-feira (29/06), cerca de 150 alunos e profissionais de uma ONG, no Complexo da Maré, encurralados nas salas de aula por aproximadamente três horas, devido à uma intensa troca de tiros. Na comunidade, uma mulher identificada como Carmem Lúcia Santos foi atingida durante o confronto. Atendida no Hospital Geral de Bonsucesso, ela foi transferida para o Hospital municipal Miguel Couto, na Gávea. De acordo com a unidade, o estado de saúde da vítima é estável.

A operação nas comunidades, de acordo com a Polícia Militar, também teve como objetivo localizar os suspeitos pela morte da médica Gisele Palhares Gouvêa. O crime ocorreu na noite do último sábado.

Policiais do Bope, do serviço reservado do Comando de Operações Especiais (COE) e do Batalhão de Polícia de Choque (BpChoque) entraram na favela Nova Holanda com carros blindados, durante a tarde, e logo começou um intenso confronto com traficantes. Até a noite, as equipes permaneciam na região, mas sem informações sobre prisões.

Segundo moradores, a troca de tiros durou mais de duas horas. Muitos deles alertavam a população a evitar circular pela região. Os acessos às comunidades, na Avenida Brasil, ficaram lotados de pessoas que tentavam chegar até suas casas, mas precisavam esperar a situação se normalizar.

Na Associação Redes de Desenvolvimento da Maré, alunos e profissionais da ONG se jogaram no chão, assustados, para tentar se proteger. O horário de saída, que deveria ser às 17h30m, se estendeu até as 20h30m, quando eles começaram a deixar o local:

— Vários carros blindados entraram na comunidade quando estávamos em aula e ficaram estacionados na frente da instituição. Estamos sitiados, porque começou uma confusão que já dura há duas horas. Ninguém entra, nem sai — contou a diretora da Redes da Maré, Eliana Sousa Silva, que pretende entrar na Justiça contra a ação policial — Precisamos barrar esse tipo de abordagem sem nenhum respeito ao cotidiano.

No último balanço divulgado pela Polícia Militar, os agentes haviam apreendido na Nova Holanda cerca de quatro quilos de maconha, 403 papelotes de cocaína, uma pistola com carregadores e cartuchos e 21 frascos da droga cheirinho da loló. A 21ª DP (Bonsucesso) registrou a ocorrência.

As ações para tentar localizar os criminosos também aconteceram em comunidades das zonas Norte, Sul, Oeste e Centro do Rio. Além da apreensão de grande quantidade de drogas e armas nessas regiões, dezoito suspeitos, ao total, foram encaminhados à delegacia.

Fonte: O Globo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s